Trilha da Pedra do Navio no sertão de Alagoas

Por Cláudio André, publicado em 8 de setembro de 2022

O que muitos não sabem é que para esse tronco ficar ‘em pé’, as células formam grande parede de celulose, que funciona como o esqueleto da planta. Esses troncos encontrei durante a trilha rumo a pedra do Navio, no sertão de Alagoas.
Com características de pântano encontramos esse musgos numa unidade de conservação ambiental. Os líquens são organismos formados pela associação de um fungo com uma alga, embora exista evidências recentes que haja uma terceira parte, uma levedura (Rosen, 2016), e se desenvolvem na superfície dos ramos e troncos das plantas, em locais úmidos. Não são parasitas ou patógenos de plantas.
Foi uma grande experiência vivida dias atrás na trilha da Pedra do Navio, leste de Pão de Açúcar, região do rio São Francisco.
Imagine, 50 loucos por natureza, dentro de uma vegetação densa, cheia de obstáculos e todos respirando ar puro, conhecendo um pouco do nosso riquíssimo bioma.
Dentro do tronco surgem os chamados sistemas condutores. Um deles faz com que água e sais minerais (também chamados de seiva), extraídos da raiz, sigam até as folhas. Subir até a serra de Meirus é encontrar uma vegetação nativa tipicamente de mata atlântica.
O caule é o tronco das árvores. Ele varia de tamanho, forma, textura e cor, dependendo da espécie.
Olha a belezura de cordilheira que pudemos visualizar na região limítrofe dos municípios de Pão de Açúcar com São José da Tapera.

Podem ser classificados em eretos, trepadores e rastejantes. Os caules eretos estão relacionados, por exemplo, com plantas de floresta que precisam competir por luminosidade. São exemplos de caules aéreos eretos o tronco, o estipe, a haste e o colmo.

tronco é um tipo de caule aéreo ereto, um dos mais comuns que existem. Ele apresenta estrutura cilíndrica que pode ter ramificações. Nesta unidade de conservação ambiental que encontramos em Pão de Açúcar, sertão alagoano, há árvores frondosas com mais de 10 metros de altura.
Andar por essa região de Meirus, importante comunidade do sertão de Alagoas, deve ser com um guia local, pois a densidade da vegetação pode provocar desorientação de qualquer trilheiro.
A partir que a elevação foi aumentando, mais foi ficando lindo o horizonte. Foram pelo menos 10 horas de trilha dentro da caatinga.
A mistura de vegetação de caatinga e mata atlântica favorece a grande variedade de aves e animais que sobrevivem do clima ameno que está por todo os lados. Há nascentes, há muita umidade no entorno da serra, devido a quantidade de chuvas que caíram ultimamente na região.
Floresta de transição ou contato são áreas de transição entre o cerrado e a floresta, apresentando características destas duas formações, com o estrato mais alto com cerca de 20 metros de altura. Essa tipologia subdivide-se em três composições: Contato Floresta Ombrólia/ Floresta Estacional Semidecidual.
Esta é vista que temos quando estamos no cume da serra de Meirus ou na pedra do Navio. O desmatamento ainda é o grande mal que persiste devido a intolerância do “bicho homem”.
O piolho de cobra é um miriápode (“muitas patas”) da classe dos diplópodes (“patas duplas”). O animal também é comumente chamado de gongolo ou embuá. Encontramos também quando subíamos a serra de Meirus.
Por esse ângulo visualizamos o povoado de Meirus, lugar onde Lampião passou e deixou duas marcas na parede frontal da igreja de Nossa Senhora da Luz.
Esta planta é uma espécie da família Scrophulariaceae, nativa da África do Sul.  Este arbusto que pode atingir 02 metros de altura. A folhagem é decídua em áreas onde o inverno é frio. Tudo encontrei na serra de Meirus.
Numa altitude acima dos 650 metros, quando estamos no cume da pedra do Navio, tudo se torna pequeno até onde a vista consegue alcançar.
De cima da pedra do Navio em Pão de Açúcar, visualizamos a sinuosidade da rodovia AL-130 que liga Olho d’Água das Flores a Pão de Açúcar
A vista se perde diante de tanta beleza natural. O local é ideal para Trekking e esportes de aventura.
Além de dividir os ecossistemas em aquáticos e terrestres, podemos também falar em ecossistemas de transição (ou biomas de transição), que, como o nome diz, está em trânsito entre os dois primeiros, ou melhor, representa a passagem de um para outro.
São inúmeros blocos rochosos que encontramos no trecho que percorremos até chegar na Pedra do Navio, um rochedo granítico pendurada em um declive da serra de Meirus.
Ai está a serra de Meirus, vista do assentamento Bezerra, há poucos quilômetros do povoado Meiruz da terra de Jaciobá.
Grande incentivador das trilhas ecológicas e desbravador do município de Pão de Açucar, professor Robério Bié. Obrigado pelo parceria.
Ao lado de minha nega, Luciana Ferreira, trilheira que não se esmorece. Mais uma trilha para nossa conta.

Por fim, a trilha rumo a Pedra do Navio, foi desafiante e muito prazerosa.

O Poeta tem muito mais conteúdo em nosso canal no YouTube!

Cláudio André

Cláudio André Santos, natural da cidade de Olho d'Água das Flores, sertão de Alagoas, formado em radiojornalismo, poeta, blogueiro, radialista profissional (Reg.3059 - DRT-PE), escritor. Tem doze livros de poesias e crônicas publicados. Premiado Pelo Ministério da Cultura em 2009 com o projeto Cultural Minha Imaginação é um Poema. Estudou além Radiojornalismo, Francês e Filosofia. Membro efetivo da Associação Alagoana de Imprensa (Reg.678). Fundador da Rádio Olho d'Água FM e Rádio Web News Olho d'Água, criador do Projeto Música na Escola, ex-seminarista. Show-man. Foi um dos fundadores e diretor-executivo da Associação de Blogueiros de Pernambuco (ABlogpe). Fundador do Sistema Online Poeta de Comunicação (Blog, Site, Studio, Lista telefônica, Rádio Web e TV Web). Trabalhou em mais de uma dezena de emissoras de rádio nos estados de AL, PE, SP. Tecnólogo em oratória, em técnicas de vendas e administração empresarial pelo SENAC. Tem várias premiações como repórter e blogueiro. Destaque na área do fotojornalismo. Criador do projeto ecológico/educativo Poeta Viagens e Aventura. Membro efetivo da FACUPIRA (Fundação Cultural de Palmeira dos Índios/AL), Ex-membro do Conselho Municipal de Saúde de Bom Conselho/PE. Colunista dos sites Tribuna do Sertão (P.dos Índios) e Tribuna do Agreste (Arapiraca) e 7 Segundos (Maceió). Ex-assessor de comunicação da Câmara de Vereadores de Bom Conselho/PE.