A FLORESTA PALUDOSA DO GROTÃO DA SERRA DO MORRO GRANDE EM BOM CONSELHO/PE

Por Cláudio André, publicado em 26 de abril de 2020

Publicidade

O fascínio pela caatinga permanece. As provas de sobrevivencialismo permanece. Estamos percorrendo a zona rural de Bom Conselho e montando o mapa turístico do município, uma ideia exclusiva do blogueiro e trilheiro, Cláudio André O Poeta.

Nesse período de isolamento social, não há lugar melhor do que você afinar seu relacionamento com a natureza, conhecer potenciais, técnicas de preservação, cuidado com a fauna e a flora.

O grotão da serra do Morro Grande é formado por um riacho com extensão de aproximados 10 km. Nesse percusso encontramos muitas formações rochosas e na laterais vegetação arbustiva de caatinga.

No período chuvoso logo se forma uma bonita correnteza. A vegetação ripária (ou ripícolaribeirinha) é um tipo de vegetação presente em espaços próximos a corpos da água, isto é, na zona ripária. Em todo o grotão é visível esse tipo de vegetação.

Dentro da caatinga encontramos vários tipos de rochas, entre elas, sedimentares e graníticas. Essa rocha que tem a geoforma de DUAS CARAS, fica próximo ao grotão. Uma ação do intemperismo há milhões de anos fez com essa rocha tenha de um lado, a cara de um macaco, no outro, uma cara humana.

Caminhar entre rochas, areia, restos de vegetação, respirando ar puro, é uma grande terapia.

Os rios e riachos têm pouco poder erosivo, atingindo alguma impetuosidade somente nos seus cursos superiores, de maiores declividades quando descem por desníveis provocados pela água e direcionamento do vento. 

Até parece contraditório, onde na mesma área tem vegetação de caatinga e um amontoado de rochas graníticas. Sim, mas quem levou essas rochas para esse local? A resposta mais objetiva é o resultado de uma erosão há milhões de anos onde existe a possibilidade que ali foi o fundo do mar.

No Brasil, existe uma grande variedade de termos e conotações para as formações ribeirinhas, especialmente as florestais (matas), entre eles, mata ciliar (ou floresta ciliar), em sentido amplo, sinonimizada com floresta de galeria, floresta ribeirinha, floresta de várzea.

 

Para chegar a esse grotão não é difícil, porém é necessário fazer uma trilha consideravelmente moderada, mas com alguns cuidados, devido a vegetação de caatinga, onde tem que desviar de juremas, espinheiros, ramas e pés de urtigas.

No grotão que fica na região norte de Bom Conselho, você encontra a floresta paludosa (ou de brejo): designação popular das florestas sobre solo permanentemente encharcado, com fluxo constante de água superficial dentro de pequenos canais com certa orientação de drenagem, mesmo que pouco definida.

Sem da uma de modelo, mas de aventureiro das caatingas, temos aprendido muito sobre o meio ambiente e como deve ser sua preservação. Enquanto andava pelo grotão, ouvi o canto de várias espécies de pássaros, como por exemplo, rolinhas fogo-pagô, canarinhos, cabeças-vermelhas, joão de barro, casacas de couro, lavandeiras, etc.

O lugar é convidativo para se fazer uma boa trilha ecológica pelo leito do riacho. A areia movediça é o piso do grotão, além de caminhar por cima das rochas graníticas.

Quem segue por dentro do grotão poderá sair na serra de São Pedro, onde tem a estrada vicina que segue sentido ao município de Iati, região da bacia leiteira pernambucana.

O principal papel desempenhado pela mata ripária na hidrologia de uma bacia hidrográfica pode ser verificado na quantidade de água do deflúvio. Em estudos realizados para se verificar o processo de filtragem superficial e subsuperficial dos nutrientes (nitrogêniofósforocálciomagnésio e cloro), através da presença da mata ripária, as conclusões foram as seguintes:

1. A manutenção da qualidade da água em microbacias agrícolas

2. A remoção da mata ripária resulta num aumento da quantidade de nutrientes no curso de água

3. Esse efeito benéfico da mata ripária é devido à absorção de nutrientes do escoamento subsuperficial pelo ecossistema ripário.

Em regiões semiáridas, onde a água é limitante, a presença da mata ripária pode significar um fator de competição. Isso se deve ao fato de que as árvores das matas ciliares apresentam suas raízes em constante contato com a franja capilar do lençol freático. Nesse caso, o manejo da vegetação ripária pode resultar numa economia de água.

Na próxima reportagem estaremos contando mais sobre o grotão do Morro Grande, distante 10 km do centro de Bom Conselho, onde no trecho você encontra pelo menos uns 03 tipos de solos…

AGUARDEM!

O Poeta tem muito mais conteúdo em nosso canal no YouTube!

Cláudio André

Cláudio André Santos, natural da cidade de Olho d'Água das Flores, sertão de Alagoas,formado em radiojornalismo, é poeta, blogueiro, radialista profissional (Reg.3059 - DRT-PE) e escritor. Tem doze livros de poesias e crônicas publicados. Premiado Pelo Ministério da Cultura em 2009 com o Projeto Cultural Minha Imaginação é um Poema. Estudou além Radiojornalismo, Francês e Filosofia. Membro efetivo da Associação Alagoana de Imprensa (Reg.678). Fundador da Rádio Olho d'Água FM, criador do Projeto Música na Escola e ex-seminarista. Show-man. Foi um dos fundadores e diretor-executivo da Associação de Blogueiros de Pernambuco (ABlogpe). Fundador do Sistema Online Poeta de Comunicação (Blog, Site, Studio, Lista telefônica, Rádio Web e TV Web). Trabalhou em mais de uma dezena de emissoras de rádio nos estados de AL, PE, SP. Tecnólogo em oratória, em técnicas de vendas e administração empresarial pelo SENAC. Tem várias premiações como repórter e blogueiro. Destaque na área do fotojornalismo. Criador do projeto ecológico/educativo Poeta Viagens e Aventura.

CONHEÇA AS SERRAS DE BOM CONSELHO

MOURA CONTABILIDADE

REDE BRASILEIRA DE BLOGUEIROS DE VIAGEM

ANUNCIE AGORA MESMO

VEM AÍ RÁDIO ATITUDE FM

PUBLICIDADE

LISTA TELEFÔNICA DO POETA