TURISMO RURAL: A VEGETAÇÃO RIPÁRIA DO RIACHO DO SALGADINHO E A CACHOEIRA DO POÇO ESCURO

Por Cláudio André, publicado em 4 de abril de 2020

A cordilheira existente e que é vista do Vale do Salgadinho impressiona sua formação, dando a entender que um acidente geológico a milhares anos acontecer nessa região. Isso é visto pela profundidade do vale.

O serrote do Vento localizado no município de Estrela de Alagoas, é um maciço rochoso milenar. Sua geoforma de um funil e nas laterais coberto por vegetação de caatinga, mostra claramente que há milhares de anos ele foi esculpido pelo vento e pela água. Fiz essa imagem há mais de 10 km de distância.

Percebam que o vale do Salgadinho ainda tem mata preservada, deixando a fauna e a flora com suas riquezas naturais. Pena que ainda há desmatamento por esse lado do município de Bom Conselho.

A mata sendo trocada por roçados e pastagem para o gado, isso é comum encontrar de canto a canto do Brasil. O solo escuro, rico em minerais, contribui para o desenvolvimento das plantas nativas da caatinga.

Por esse vale você pode encontrar alguns tipos de répteis, anfíbios, animais que se adaptam facilmente com o bioma da caatinga. Pelo menos quando fomos conhecer essa região não encontramos algum tipo de animal selvagem.

Com o amigo Jeison e outros fizemos uma trilha bruta, cheia de desafios e para superar nossos limites físicos. Descer uns 02 km de serra, não foi o difícil, mas fazer o mesmo percusso já no período noturno, não foi nada fácil, porém superados.

Os desbravadores da caatinga. Voltamos a época do homem primitivo, onde a natureza foi nossa companhia o tempo todo. O solo encharcado, mas ouvindo o canto dos pássaros foi suficiente para nos acalmar e vivermos uma grande aventura ecológica.

Bom, depois de mais de uma hora de descida, chegamos ao leito do riacho do Salgadinho. Entre rochas graníticas e vegetação arbustiva saímos percorrendo todo o vale rumo a cachoeira Poço Escuro.

Ouvir o som da correnteza e o canto dos pássaros e sentir um cheiro de mato verde, longe de qualquer poluição é uma grande terapia.

Chegar num lugar assim não é para ter pressa e muito menos vontade de sair logo. A correnteza segue seu rumo naturalmente e escalar as rochas graníticas é o grande desafio.

O curso superior de um rio é sua parte mais inclinada, onde o poder erosivo e de transporte de materiais é muito intenso. A força das águas escava vales em forma de V. Se as rochas do terreno são muito resistentes, o rio circula por elas, formando quedas de água, gargantas ou desfiladeiros.

No curso médio do rio, a inclinação diminui e as águas perdem força e a sua capacidade de transporte diminui e começa a depositar os materiais mais pesados que já não consegue transportar.

Os vales tem a forma de V aberto. Na época das cheias, o rio transborda, depositando nas margens grande quantidade de aluviões. Nessas regiões formam-se grandes planícies sedimentares, onde o rio descreve amplas curvas, chamadas meandros.

Da para perceber que essa camada rochosa em tempos de chuva forte torna-se numa grande queda d’água. Toda essa água escorre de córregos existentes no pé da serra Grande.

Gosto de ficar contemplando a natureza. Gosto de respirar ar puro. Gosto de ouvir o canto dos pássaros, enfim, presenciar obras do Divino.

O curso inferior do rio corresponde às zonas mais próximas de sua foz. A inclinação do terreno torna-se quase nula, há pouca erosão e quase nenhum transporte. O vale alarga-se e o rio corre sobre os sedimentos depositados. A foz pode estar livre de sedimentação ou podem surgir aí acumulações de aluviões que dificultam a saída da água. No primeiro caso, recebe o nome de estuário e no segundo, formam-se os deltas.

vegetação ripária (ou ripícola, ribeirinha) é um tipo de vegetação presente em espaços próximos a corpos da água, isto é, na zona ripária. Pode assumir fisionomia campestre ou florestal e, neste último caso, é chamada mata ripária (ou mata ciliar, em sentido amplo). É esse tipo de vegetação que encontramos no vale por onde desce o riacho do Salgadinho.

As denominações floresta ripária, mata ciliar, de galeria, de várzea, ribeirinha são as mais utilizadas para designar a vegetação que se localiza ao longo dos rios e córregos, independentes do bioma onde ocorrem. De acordo com o que pesquisamos e estamos estudando, o termo floresta ripária seria o mais adequado, pois pode ser aplicado às florestas associadas a cursos d’água dentro de quaisquer formações vegetais brasileiras.

Para finalizar mais uma reportagem, quero agradecer a família do senhor José Maria e dona Quitéria, juntamente com o amigo Lucas, que foram muito receptivos e nos ensinaram o caminho “mais curto” para se chegar a cachoeira do Poço Escuro. Nossos agradecimentos ao amigo Jeison e os demais que nos acompanharam nessa caminhada longa, cansativa e cheia de desafios.

ATÉ A PRÓXIMA AVENTURA!

O Poeta tem muito mais conteúdo em nosso canal no YouTube!

Cláudio André

Cláudio André Santos, natural da cidade de Olho d'Água das Flores, sertão de Alagoas, formado em radiojornalismo, poeta, blogueiro, radialista profissional (Reg.3059 - DRT-PE), escritor. Tem doze livros de poesias e crônicas publicados. Premiado Pelo Ministério da Cultura em 2009 com o projeto Cultural Minha Imaginação é um Poema. Estudou além Radiojornalismo, Francês e Filosofia. Membro efetivo da Associação Alagoana de Imprensa (Reg.678). Fundador da Rádio Olho d'Água FM e Rádio Web News Olho d'Água, criador do Projeto Música na Escola, ex-seminarista. Show-man. Foi um dos fundadores e diretor-executivo da Associação de Blogueiros de Pernambuco (ABlogpe). Fundador do Sistema Online Poeta de Comunicação (Blog, Site, Studio, Lista telefônica, Rádio Web e TV Web). Trabalhou em mais de uma dezena de emissoras de rádio nos estados de AL, PE, SP. Tecnólogo em oratória, em técnicas de vendas e administração empresarial pelo SENAC. Tem várias premiações como repórter e blogueiro. Destaque na área do fotojornalismo. Criador do projeto ecológico/educativo Poeta Viagens e Aventura. Membro efetivo da FACUPIRA (Fundação Cultural de Palmeira dos Índios/AL), Ex-membro do Conselho Municipal de Saúde de Bom Conselho/PE. Colunista dos sites Tribuna do Sertão (P.dos Índios) e Tribuna do Agreste (Arapiraca) e 7 Segundos (Maceió). Ex-assessor de comunicação da Câmara de Vereadores de Bom Conselho/PE.