O PAISAGISMO NO SÍTIO ARQUEOLÓGICO PEDRA PINTADA DA CIDADE DE IATI NO AGRESTE PERNAMBUCANO

Por Cláudio André, publicado em 12 de junho de 2018

No Sítio Boi Branco onde fica  Pedra Pintada, você pode encontrar o granito,  que é um exemplo de rocha ígnea. A formação das rochas ígneas vêm do resultado da consolidação devida ao resfriamento do magma derretido ou parcialmente derretido. Elas podem ser formadas com ou sem a cristalização, ou abaixo da superfície como rochas intrusivas (plutônicas) ou próximo à superfície, sendo rochas extrusivas (vulcânicas). 

Em pleno agreste pernambucano a natureza caprichou, onde pode proporcionar para os visitantes vista panorâmica de uma vegetação de caatinga que se mistura com as belezas das pedras e suas geoformas.
Até parece que você não está em pleno agreste nordestino. A coloração das pedras e seus acabamentos que mais parecem que foram lapidadas pela mão humana.
As Rochas Sedimentares também são encontradas na zona rural de Iati. Rocha sedimentar é um tipo de rocha constituída de sedimentos, que são as inúmeras partículas de rocha, lama, matéria orgânica, podendo até mesmo possuir em sua composição restos corpóreos de vegetais e animais.
O Rio Garanhunzinho é temporário, mas, em todo o seu leito é fácil encontrar uma vegetação de mata ciliar. Pequenas plantas, árvores e cactus são encontrados com facilidade. Nos últimos meses muita chuva caiu na região, deixando o meio ambiente muito mais verde e cheio de vida. O rio percorre quase 200 Km até desaguar nos rios do município de Porto Calvo no estado de Alagoas.

De modo geral as rochas sedimentares apresentam-se estratificadas, ou seja, são formadas em camadas, que indicam diferentes sedimentos e épocas em que foram ali depositados. Quanto mais profundos, mais antigos serão os sedimentos. São exemplos de rochas sedimentares a ardósia, o arenito e a argila.
Ao lado da Pedra Pintada, outras pedras com geoformas diferentes, estão agrupadas de tal maneira que a pergunta que não quer calar é a seguinte: Como foram parar ali, daquele jeito? Um dia foi o fundo de um oceano?
Conta a história que o homem primitivo vivia em grupos e tribos e se hospedava debaixo das rochas, especialmente na beira de rios, por que servia de tocaia para matar os animais que chegassem para beber água ou se alimentar. No Sítio Arqueológico da Pedra Pintada, são várias as pequenas que tem pequenas cavernas.
Essas marmitas, como são chamados esses buracos, são frutos da corrasão, um desgaste que ocorre pelo atrito mecânico das partículas carregadas pela água. É um processo erosivo bastante comum e a água é a grande causadora desse processo no solo.
As pinturas rupestres, as geoformas, o paisagismo, estão dentro do contexto do Projeto Poeta Viagens e Aventuras. Temos descoberto a importância da proteção ambiental.
Até o urubu que é uma de rapina fez pose para sair no Blog do Poeta. Se na natureza nada de perde, tudo se transforma, o urubu está se sentindo bem em seu habitat. Nem todas as aves de rapina caçam, os abutres do Velho Mundo é um bom exemplo, são autênticas aves de rapina (na mesma família das águias) especializadas no consumo de animais mortos.
O que pode ter ocorrido também no entorno da Pedra Pintada é o processo chamado de cavitação, que é a pressão da água e que leva a formação dessas marmitas. O que se sabe é que é tem um longo tempo desse processo, afinal os buracos têm tamanhos variados, como profundidade também.
Um outro processo semelhante também pode ter ajudado para a formação dos buracos: a Cavitação. Pode se observar que a força da água e a rotação do vento, mesmo no leito do rio, esse processo de cavitação é comum, especialmente no período de enchentes do rio.
Na verdade, para onde você olhar, encontrarás uma beleza inigualável que se perde na vista. O entardecer do Sítio Arqueológico Pedra Pintada, é um berço nativo onde a fauna e a flora precisam ser mais bem cuidado.
As árvores de pequeno e médio porte estão cravadas no leito do Rio Garanhunzinho. A tranquilidade, o sossego, o cheiro de mato, cativam a todos nós. Vale apena qualquer esforço para chegar até esse lugar.
Fecho mais uma reportagem de uma trilha inesquecível que está dentro do Projeto Poeta Viagens e Aventuras. Nunca sabemos onde vamos parar, sabemos que nossos objetivos e desejos são o combustível de nossa aprendizagem cotidiana. Chegar até o Sítio Arqueológico Pedra Pintada, na zona rural de Iati foi uma grande aventura que nunca cansa.
Até a próxima viagem!

O Poeta tem muito mais conteúdo em nosso canal no YouTube!

Cláudio André

Cláudio André Santos, natural da cidade de Olho d'Água das Flores, sertão de Alagoas, formado em radiojornalismo, poeta, blogueiro, radialista profissional (Reg.3059 - DRT-PE), escritor. Tem doze livros de poesias e crônicas publicados. Premiado Pelo Ministério da Cultura em 2009 com o projeto Cultural Minha Imaginação é um Poema. Estudou além Radiojornalismo, Francês e Filosofia. Membro efetivo da Associação Alagoana de Imprensa (Reg.678). Fundador da Rádio Olho d'Água FM e Rádio Web News Olho d'Água, criador do Projeto Música na Escola, ex-seminarista. Show-man. Foi um dos fundadores e diretor-executivo da Associação de Blogueiros de Pernambuco (ABlogpe). Fundador do Sistema Online Poeta de Comunicação (Blog, Site, Studio, Lista telefônica, Rádio Web e TV Web). Trabalhou em mais de uma dezena de emissoras de rádio nos estados de AL, PE, SP. Tecnólogo em oratória, em técnicas de vendas e administração empresarial pelo SENAC. Tem várias premiações como repórter e blogueiro. Destaque na área do fotojornalismo. Criador do projeto ecológico/educativo Poeta Viagens e Aventura. Membro efetivo da FACUPIRA (Fundação Cultural de Palmeira dos Índios/AL), Ex-membro do Conselho Municipal de Saúde de Bom Conselho/PE. Colunista dos sites Tribuna do Sertão (P.dos Índios) e Tribuna do Agreste (Arapiraca) e 7 Segundos (Maceió). Ex-assessor de comunicação da Câmara de Vereadores de Bom Conselho/PE.