A VEGETAÇÃO DA CACHOEIRA DO COEMA QUE FOI DESCOBERTA PELOS ÍNDIOS TUPIS

Por Cláudio André, publicado em 6 de maio de 2018

Fazendo mais uma trilha à pé a gente é presenteado com essas belezas naturais. Uma simples flor, mas, com uma beleza inigualável. Trata-se da flor  buquê-de-noiva.
Essa é a pedra que fica no pico da Cachoeira do Coema, da uma noção do quanto é alto a formação rochosa que provoca a queda d’água. Pode-se ver o quanto o ser humano provoca desmatamento.
Entre a vegetação de caatinga e a trilha por onde chega bem perto da cachoeira, o terreno é bem ingrime, provocando bastante esforço até chegar no “pé da correnteza”. Ouvir o som dos pássaros e da queda d’água, é um momento único.
Encontrei próximo a Cachoeira do Coema, a flor  buquê-de-noiva, que é um arbusto decíduo e gracioso, de beleza delicada e romântica.  Seus ramos são longos, ramificados e curvados e apresentam folhas de coloração verde-escura, pequenas, lanceoladas e com bordos serrilhados. 
Antes de chegar onde cai a água da rocha de 80 metros de altura, você se depara com essa paisagem.
O que dizer de um lugar assim? Sombra, água fresca, correnteza suave, sonorização dos pássaros e uma vegetação de caatinga invejável.
Coêma é uma derivação da linguagem dos índios Tupi, que significa “água clara”. Em Saloá, por exemplo, falta projetos que fomentem valores e atitudes que integrem os seres humanos com a natureza em uma relação de equilíbrio.


Quanto mais você vai andando pela caatinga, mais descobre tanta beleza natural nessa região serrana. Pela história dos antigos, o índios tupi-guarani foram os primeiros a visualizar essas belezas naturais e batizaram de “águas claras” ou Coêma em Tupi.
Andar por essa trilha é seguir os passos dos povos indígenas Tupi que identificaram o potencial turístico desse local. A mata ciliar ainda é e alguns cantos, totalmente virgem.
Por esse vale você pode pensar que água é pouca. Mas, quando vai se aproximando da rocha principal, ela cai como se fosse um chuveiro de casa. Molha do mesmo jeito.
Há uma ramificação intensa entre as árvores e pedras que fica no curso do riacho. Por volta do meio-dia a temperatura estava muito estável, em torno dos 22 graus.
Nesse ponto a água que escorrega pelas pedras chega muito fria. Da para tirar qualquer ressaca, estresse, cansaço, etc.
Essa água que escorre pelas pedras é a mesma que passa pelo riacho que recebe o mesmo nome da cachoeira.
O vento espalha a água que desce pelo paredão de 80 metros de altura, filtrando-a ainda no ar. 
Quando você está em baixo presencia a formação da rocha, tipo um granito. Isso fica fácil de identificar logo quando chegamos, até por que As cores de granito mais encontradas na natureza são as de tons cinzento e avermelhado, contudo encontram-se nas cores: branco, preto, azul, verde, amarelo e marrom.
As cores das rochas são muito variadas. As cores de granito mais encontradas na natureza são as de tons cinzento e avermelhado, porém, outras cores são comuns serem encontradas no meio desse tipo de vegetação.
A Cachoeira do Coema tem a formação de um gigante granito. Segundo relatos históricos, O primeiro povo a extrair e utilizar o granito foram os egípcios e, posteriormente, os romanos.
No Egito, a rocha era utilizada na construção de monumentos e túmulos faraônicos já que eles se preocupavam muito com a estética.
Já na Idade Média, o granito passou a ser usado largamente nas casas e nas igrejas. Atualmente é muito utilizado na construção civil bem como para ornamentos e decoração de interiores. A Cachoeira do Coema, descoberta pelos índios Tupi, é um local que guarda seus mistérios.

O Poeta tem muito mais conteúdo em nosso canal no YouTube!

Cláudio André

Cláudio André Santos, natural da cidade de Olho d'Água das Flores, sertão de Alagoas, formado em radiojornalismo, poeta, blogueiro, radialista profissional (Reg.3059 - DRT-PE), escritor. Tem doze livros de poesias e crônicas publicados. Premiado Pelo Ministério da Cultura em 2009 com o projeto Cultural Minha Imaginação é um Poema. Estudou além Radiojornalismo, Francês e Filosofia. Membro efetivo da Associação Alagoana de Imprensa (Reg.678). Fundador da Rádio Olho d'Água FM e Rádio Web News Olho d'Água, criador do Projeto Música na Escola, ex-seminarista. Show-man. Foi um dos fundadores e diretor-executivo da Associação de Blogueiros de Pernambuco (ABlogpe). Fundador do Sistema Online Poeta de Comunicação (Blog, Site, Studio, Lista telefônica, Rádio Web e TV Web). Trabalhou em mais de uma dezena de emissoras de rádio nos estados de AL, PE, SP. Tecnólogo em oratória, em técnicas de vendas e administração empresarial pelo SENAC. Tem várias premiações como repórter e blogueiro. Destaque na área do fotojornalismo. Criador do projeto ecológico/educativo Poeta Viagens e Aventura. Membro efetivo da FACUPIRA (Fundação Cultural de Palmeira dos Índios/AL), Ex-membro do Conselho Municipal de Saúde de Bom Conselho/PE. Colunista dos sites Tribuna do Sertão (P.dos Índios) e Tribuna do Agreste (Arapiraca) e 7 Segundos (Maceió). Ex-assessor de comunicação da Câmara de Vereadores de Bom Conselho/PE.